Toggle Pesquisar

  1. Home
  2. ...
  3. A nossa história
  4. 1930 - 1939: Superar desafios

1930 - 1939: Superar desafios

A década de 30 é uma década difícil, começa com a Grande Depressão e termina com uma nova guerra mundial.

Anúncio antigo de Lux Flakes - “Undisolved Soap Ruins Undies” (sabão não dissolvido estraga a roupa interior)

Estas condições tornam a necessidade de racionalização das empresas recentemente fundidas ainda mais urgente. Por isso, no reino Unido a Unilever faz reduções nas suas 50 empresas de fabrico de sabão para se concentrarem em algumas marcas, enquanto os governos na Europa continental protegem a produção de manteiga através de impostos, impostos especiais, e limites de produção. O resultado final foi que as fábricas de margarina e de gorduras comestíveis são reduzidas de dez para cinco.

Mas apesar da recessão o negócio continua a expandir: em parte através do desenvolvimento de produtos novos nos seus mercados estabelecidos, e em parte adquirindo empresas para operar nas categorias emergentes como alimentos congelados e de preparação fácil e rápida.

Destaques

1930

A 1 de janeiro a Unilever foi oficialmente fundada.

A Procter & Gamble entra no mercado do Reino Unido com a aquisição de Thomas Hedley Ltd de Newcastle e torna-se um dos maiores rivais da Unilever.

A meados dos anos 30

A produção de sabão avança de barras de sabão e flocos para pós para facilitar as tarefas de limpeza do lar. Isto leva à expansão do mercado de sabão.

1935

As vitaminas A & D são adicionadas à margarina, em níveis equivalentes aos encontrados na manteiga.

1938

Depois de uma campanha para melhorar a percepção pública face à margarina e o crescimento de marcas enriquecidas com vitaminas incluindo Stork no Reino Unido e Blue Band nos Países Baixos, a venda de margarina aumenta para níveis próximos dos máximos alcançados em 1929.

No final da década de 30

Com a chegada da Segunda Guerra Mundial, o controlo cambial e as divisas congeladas tornam o comércio internacional cada vez mais complexo. Na Alemanha, a Unilever não consegue levar os lucros para fora do país e, em vez disso, tem de investir em empresas não relacionadas com óleos e gorduras incluindo serviços de utilidade pública.

Back to top