Saltar para conteúdo

Unilever Portugal Mudar localização


Split image of a young girl – half the image of her with no filter, the other using a retouching app

Por trás da selfie: reverter os danos da edição digital de imagem

O vídeo de lançamento e a campanha Selfie Invertida de Dove tem o objetivo de acabar com os danos que as aplicações de edição de imagem estão a causar à autoestima das jovens

Veja a imagem acima. Ficaria surpreendido ao descobrir que ambas as fotografias são da mesma jovem?

A maquilhagem e o penteado são obviamente diferentes. Mas há mais do que isso. Olhe com atenção e verá que o rosto da jovem à direita é fundamentalmente diferente. O seu nariz, lábios e queixo foram alterados digitalmente usando um aplicativo de retoque. O resultado? Uma imagem que reflete uma imagem convencional de beleza, mas que perde o sentido real da jovem por trás da selfie.

Quinze anos após o lançamento da campanha Evolution que abordava a questão da edição de imagem na publicidade, Dove está novamente a focar-se nos problemas de edição de imagem com um novo filme poderoso – “Selfie Invertida” (ver abaixo), que destaca os danos que a pressão das redes sociais e das aplicações de edição de imagem estão a causar na autoestima das jovens raparigas.

Aplicações de edição de imagem: distorcer a autoestima e as selfies

De acordo com uma pesquisa recente* realizada por Dove:

  • 80% das raparigas disseram que já aplicaram um filtro ou usaram uma aplicação de edição de imagem para mudar a aparência das fotos aos 13 anos
  • 80% disseram que compararam a sua aparência com a de outras pessoas nas redes sociais
  • 77% tentaram alterar ou ocultar pelo menos uma parte / característica do corpo antes de postar uma foto de si mesmas
  • Raparigas que distorcem as suas fotografias são mais propensas a ter baixa estima corporal (48%) em comparação com aquelas que não distorcem as suas fotografias (28%)

A pressão da perfeição

“Agora que redes sociais cresceram para fazer parte de nosso dia a dia, a distorção digital está a acontecer mais do que nunca e as ferramentas antes disponíveis apenas para os profissionais podem ser acedidas por raparigas com o toque de um botão sem regulamentação”, refere Alessandro Manfredi, Executive Vice President de Dove, reagindo a estes resultados.

A Dra. Phillippa Diedrichs, Research Psychologist no Centre of Appearance Research da Universidade de West England e especialista em imagem corporal, concorda. Ela destaca a faca de dois gumes que essas aplicações podem ser. “Poderosas aplicações de edição em smartphones democratizaram a maneira como as raparigas podem ser criativas com as suas fotografias. Mas essas aplicações também causam um grande dano à confiança das jovens raparigas ”, refere.

“Embora certos aspetos das redes sociais podem promover a conexão e o bem-estar, nos últimos anos dezenas de estudos científicos mostraram que as redes sociais podem influenciar negativamente a confiança corporal, o humor e a autoestima”, explica.

“Isso acontece quando os utilizadores passam um tempo significativo a postar selfies, usando aplicações de edição de imagem e filtros para alterar a sua aparência, comparando-se a outras pessoas e procurando validação por meio de comentários e likes. Portanto, é imperativo que ajudemos as jovens a desenvolver habilidades para navegar nas redes sociais de uma forma saudável e produtiva. ”

Das selfies para a autoconfiança

A nova campanha da Dove visa resolver estes problemas, fornecendo aos pais, responsáveis e jovens um kit de ferramentas que pode ajudá-los a navegar nas redes sociais de uma forma mais positiva.

Com 34% dos adolescentes a usar em média três horas por dia a ler os seus feeds, agora parece tão crítico para o seu bem-estar falar sobre hábitos saudáveis nas redes sociais quanto discutir sobre o sexo ou a puberdade.

O Kit de Confiança de Dove, orientado por pesquisas e validado academicamente, oferece uma ampla variedade de materiais, incluindo sugestões práticas que as raparigas possam colocar em prática, como a seleção dos seus feeds para garantir que o vêem é apropriado e empoderador. Inclui também iniciadores de conversa que podem ajudar pais e raparigas a avaliar a realidade do que vêem nas redes sociais.

“Raparigas em todo o mundo começaram a sentir a pressão para editar e distorcer a sua imagem, para criar algo “perfeito”, que não pode ser alcançado na vida real”, reflete Alessandro. “Depois de um ano de aumento do tempo nos ecrãs, nunca houve um momento mais importante para agir.”

Como provedor líder de educação para a autoestima em todo o mundo, o Projeto pela Autoestima de Dove tem tido a missão de construir a autoestima e imagem corporal positiva em jovens desde 2004, com a ambição de alcançar 250 milhões de jovens em todo o mundo até 2030.

*Com base em resultados conduzidos pela Edelman Intelligence nos EUA, 556 raparigas inquiridas com idades entre 10 e 17 anos.